domingo, fevereiro 28

SORTEIO.........

OI...MENINAS..
CONSEGUI TERMINAR OS BRINDES DO SORTEIO..
FORAM FEITOS COM MUITO CARINHO..ESPERO QUE GOSTEM....
BEIJINHOS....


MAIS UMA ENTREGA....

ESTE DIÁRIO VAI PARA MINHA COLEGA ROSANA..
ESPERO QUE ELA GOSTE....
EU AMEI....

COMBINANDO REGRAS COM A TURMA....

REGRAS PARA A SALA

COMBINANDO E CUMPRINDO REGRAS...

UMA IDEIA PARA CARTAZ..
AS CRIANÇAS PRECISAM PARTICIPAR.....DESTA CONSTRUÇÃO....

sábado, fevereiro 27

COLAGENS....

COLAGENS....EU VOU FAZER TODOS ESTES ...SIMPLISMENTE ADOREI...AMEI....

RECORTANDO....

ARTES COM RECORTE....

AI...... QUE LINDINHO

OLHA QUE LINDO ESTES COM SUCATA..... FICA MUITO FOFO..


ENFEITANDO...

CRIANDO CARTAZES CRIATIVOS PARA ENFEITAR A SALA E COM A PARTICIPAÇÃO DA TURMINHA....

MAIS IDEIAS..COM PINTURAS.....

SEPAREI MAIS ALGUMAS TÉCNICAS...PARA O DIA A DIA....


ADOREI ESTAS PINTURAS CARIMBADAS EM CAMISETA....

OLHA IMAGINEI ESTA NA SALA ...PARA PENDURAR OS TRABALHOS...

sexta-feira, fevereiro 26

COMBINANDO REGRAS....

Filhos que manipulam os pais

Que chato dizer “não” para o meu filho. Certamente você já deve ter seguido essa linha de raciocínio pelo menos uma vez na vida. Mas saiba que esse “não”, futuramente, pode ser uma tacada certeira para o decorrer da relação pai e filho.
O problema mora justamente aí. Muitos pais acham que dizer sim ou aceitar tudo que as crianças pedem irá compensar a ausência enquanto trabalham fora. Ou simplesmente porque dizer sim é mais fácil, estão cansados para escutar as reclamações e choradeiras dos pequenos.
Aceitar tudo o que o querido de casa determina é a porta de entrada para uma má educação por parte dos pais. Quem alerta é a pedagoga Varuna Viotti.
“Na preocupação de não frustrar as crianças, de satisfazerem todos os seus desejos, os pais vão perdendo o domínio da disciplina familiar, que é o respeito básico para que a criança e mais tarde o adolescente e o jovem aceitem regras e normas na escola e na vida”, diz a profissional.
O reflexo disso é visto não tão somente dentro de casa, mas o falso autoritarismo da criança é transportado para o mundo externo, ou seja, à escola e também nas relações com outras crianças. É cada vez maior o número de queixas de professores em relação à indisciplina e à falta de limites de crianças, fruto de uma educação refém das normas e determinações do filho.
O novo dono da casa - Com apenas três anos de idade já é possível detectar traços de dominação no ambiente familiar. Na base do condicionamento, ela vai se acostumando a executar determinadas ações que nem sempre são aconselháveis para uma boa formação educacional.
E isso é ruim para a criança, pois, sem saber, terá enorme dificuldade de convivência com os demais. Inicialmente, pelos pais permitirem tudo, a criança tende a não se sentir amada. Excesso de tolerância pode significar indiferença e falta de amor.
Conseqüentemente, esse ambiente centralizador gera insegurança e até mesmo agressividade no comportamento infantil. Já em um ambiente estranho, a criança terá grandes dificuldades para agir, pois não será a “dona do pedaço”, fazendo com que a insegurança e a agressividade se transformem em autodefesa.
 
“Disciplinar os filhos faz parte do processo de amor dos pais e mesmo que a princípio eles reajam e não aceitem prontamente a disciplina, certamente no futuro irão reconhecer que foi esta disciplina que sedimentou tudo o que conseguem na vida”, informa Varuna Viotti.

Os pais devem ser bons exemplos. Cortar passeios ou outras atividades caso a criança volte a apresentar um comportamento inadequado pode ser uma boa maneira de coibir os abusos. Agir sempre de forma moderada.
Não há como cuidar dos filhos “sob uma redoma” onde tudo é permitido. A sociedade vai cobrar limites e nem tudo que a criança quiser vai conseguir, assim sendo por toda a vida. Estabelecer limites e disciplina requer paciência e firmeza.
Os pais precisam entender que poupar o filho de situações difíceis, super protegendo-o, abrindo mão dos limites, é o primeiro passo para problemas mais sérios na adolescência.
Criança que cresce achando que tudo pode e que só terá coisas boas na vida terá mais propensão a ser seduzido por outros fatores que funcionam como “iscas” para fugir da realidade que encontrará, entre os quais a bebida e as drogas.
Portanto, pense duas mil vezes antes de dizer um “sim” ou “não”. Em breve, seu filho agradecerá por isso.
FONTE GUIA DO BEBE

POSSO COMER ..ASSINTINDO TV?

Refeição e televisão não combinam, não

Os hábitos alimentares das famílias estão ficando cada vez piores e isso traz prejuízos aos filhos. Muitas crianças estão apresentando “doenças de adulto” por conta da alimentação inadequada, como o colesterol e diabetes. E não é que a televisão pode entrar como vilã da boa alimentação?
Criança que come e assiste televisão acaba não conseguindo mastigar direito e nem prestar atenção no que é transmitido na telinha.
O número é assustador, mais de 60% dos brasileiros, incluindo as crianças, estão acima do peso. Grande parte das crianças já apresenta sintoma de alguma doença conseqüente do aumento de peso ou do excesso de gordura ingerida e ainda tem maiores chances de se deparar com uma doença cardíaca na vida adulta.
Não é só o fato de não mastigarem corretamente que ocorre com o pequeno em frente à TV. Crianças que fazem as refeições diante da televisão não prestam atenção no que comem e nem ficam atentos quanto à satisfação, perdendo a noção da quantidade de alimento ingerido, podendo consumir muito mais calorias.
Muitas vezes o seu filho poderá fazer chantagem dizendo que só vai comer se estiver na frente da televisão. Se ceder uma vez, a criança irá querer sempre. Não fique aflita se ele não quiser comer, apenas diga que seu prato está na mesa e que poderá vir comer. Quando a fome bater, seu filho irá certamente até a mesa.
Cada um pro lado – É comum hoje em dia ver o pai vendo TV enquanto a mãe se alimenta na cozinha, tendo o filho jogando videogame no quarto. A presença de todos à mesa, sem TV, fortalece a relação entre os familiares e, indiretamente, evita que o filho fique “beliscando” enquanto assiste Chaves, por exemplo.
O horário das refeições em casa que antigamente era feito na mesa com todos reunidos agora é realizado em frente à TV ou até mesmo ao computador.
As refeições realizadas em família sem a intromissão da televisão fazem com que as crianças comam melhor e, portanto, sejam mais saudáveis, principalmente quando os pais têm hábitos saudáveis, com alimentação balanceada e abusando de saladas e legumes.
“A educação nutricional começa em casa”, ressalta a nutricionista Márcia Banin. Ela orienta que o hábito alimentar saudável, principalmente para as crianças baseia-se em quatro regras: horários definidos, quantidade adequada para cada faixa etária, qualidade dos alimentos e mastigação correta.
Olhinho na telinha - TV prende a atenção. Por isso, os pais devem ensinar o filho a mastigar os alimentos de maneira correta, mostrando que a hora da refeição é harmoniosa e tranqüila. As crianças são muito atentas e imitam os pais. O bom exemplo é o primeiro passo.
A televisão é um ótimo entretenimento e muitas vezes fonte de aprendizado se tiver um limite. São os pais que devem colocá-los. O dia tem 24 horas que é tempo suficiente, se bem organizado, para brincar, assistir televisão, estudar e descansar.

Dicas
O costume de realizar as refeições diante da televisão pode levar as crianças “beliscarem” fora do horário enquanto assistem o desenho animado preferido. Normalmente esses “beliscos” são salgadinhos, chocolate ou bolachas, nada saudáveis.

As refeições em família sem a TV ligada são ótimas para fortalecer os vínculos afetivos entre pais e filhos. Proporcionar uma alimentação adequada aos filhos demanda tempo e dedicação, mas ver os pimpolhos saudáveis é uma recompensa e tanto.

As crianças são receptivas a atividades diferentes e por isso são mais fáceis de largar o hábito de assistir muita televisão.
FONTE GUIA DO BEBE.